terça-feira, 30 de abril de 2013

Republicar porque vale a pena


Fala-se muito em justiça, nos tribunais, na Constituição, mas poucos são os que falam da mais elementar das leis: a  do desejo. Muito se diz sobre o amor, a paixão, o dinheiro, como se todos fossem uma espécie de equipa que antes de entrar em campo já venceu, mas poucos são os falam sobre esta lei – a do desejo – como se esta não estivesse prevista no código, como se não tivesse regulamentada, como se fosse omissa, tamanho é o embaraço e o incómodo que tantas vezes provoca. Mas não, não há lei que se lhe compare, porque em todas as outras há alíneas várias que adiam os processos e os arrastam pelos tribunais.  Na lei do desejo, a arrastar, só se for pelo chão, pelas paredes, pela cama. Enquanto nas outras há letras pequeninas e asteriscos minorcas que safam os bandidos à luz de uma outra suposta interpretação e leitura, na do desejo não há nada a fazer, não há segundas interpretações, encolhe-se os ombros, abana-se a cabeça e começamos a desapertar os botões da camisa como quem se vai entregar à justiça, já com as mãos esticadas e juntas,  à espera de algemas. Pobre gente, fala-se tanto da energia nuclear se como fosse a fonte energética mais poderosa do mundo e ainda ninguém percebeu que bastaria conseguir transformar em pó o desejo, para que as duas Coreias se pudessem matar convenientemente. Por isso, o desejo segue os princípios bíblicos e seguindo essa conduta é sempre culpado para que, no fundo, nos inocente. De tal modo que não é primeira vez que chegados a tribunal a juíza pergunta:  Foi você que traiu a sua mulher? E outra alternativa não restará ao réu, se não responder-lhe: Não fui eu dr.a juíza, foi o desejo.

Publicado originalmente no jornal i -
[Fotografia de Emma Hardy]

Sem comentários: