quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Eu não tenho títulos para estas coisas


Uma parte de mim sonhava com a ideia tosca de que um dia me iria apaixonar ao compasso desta música, num cenário em luz de fim da tarde, com o vento a soprar o cabelo. Não uma ventania, apenas uma brisa suave para imprimir aquele ar slow motion ao momento.

Pensava que esta era a banda sonora perfeita, que iria compor um momento cheio de sorrisos tímidos e olhares trocados na indecisão do "oh meu deus, e agora o que é que eu faço?"

A banda sonora, assim como o sonho ou a ideia ingénua de que ainda é possível um momento de paixão à filme perdeu-se nos confins da memória, no baú dos sonhos encaixotados nos últimos dez anos, perdeu-se no desejo ilusório de uma miúda qualquer, perdeu-se por aqui.

De Elsa Rodrigues
(Escrito no parque de estacionamento do Pingo Doce ontem ao final da tarde num menu de bebidas do starbucks
.....dura realidade, tiras o romance todo à coisa!)

Sem comentários: