quarta-feira, 16 de março de 2011

A republicar Agente Provocadora

A carta que deixaria a um filho (ao estilo "don't forget the sunscreen")

"Isto não é fácil. Não é um sonho nem um campo de rosas em que os espinhos são compensados pelas pétalas e outras metáforas optimistas do género. É mais um campo de batalha e quando te aperceberes disso já levaste dois tiros. Vais-te confundir muitas vezes, quem te ama de repente odeia-te e quem poderia até não parecer um amigo será quem te vai agarrar. Não tem uma fórmula, acontece assim. O dinheiro, vão-te dizer que não é tudo mas a verdade é que sem ele és pouco mais que nada. Ou nada. Há grandes momentos, há momentos de merda. Os maus têm essa estranha capacidade de varrer os bons para um passado remoto e esquecido. Treina a memória para impedires isso. Não temas a solidão. Teme as companhias erradas. Não te importes que te difamem. Importa-te antes com o que dizes. Não podes fazer nada pelas palavras dos outros, já pelas tuas... Entrega-te o mais que possas a tudo quanto faças e a todos quantos queiras mas deixa sempre um rasto para que te possas encontrar se necessário. Podes chorar. Tenta não fazer ninguém infeliz. Não mates. Podes perdoar mas não é um exercício fácil, é um caminho escarpado (e não sei se glorioso, nunca o fiz). Usa preservativo. Faz o que quiseres com quem quiseres mas usa-o. Não faças um filho à toa, nunca te irás perdoar. As etapas difíceis da vida não são desejadas mas são as que te dão "pontos extra". Entende-as e ultrapassa-as. Ambiciona. A ambição é sinónimo de desejo e desejar é querer e querer é estar vivo (quem perdeu a ambição seja do que fôr já está fora da vida, não está morto, mas não está vivo). Ergue a cabeça. Hás-de encontrar o ângulo certo que te permitirá ver céu e chão apenas direccionando os olhos. É disso que precisarás sempre, subir do chão ao céu num relance. Paga as tuas contas. Nunca precisarás de tanto quanto julgas. Um deserto, isto é tudo um deserto imenso carregadinho de oásis (muitos são miragens). Só tu serás real do princípio ao fim. E o fim está sempre ali a seguir."

(talvez nunca leias esta carta, depois de a escrever percebi que o mundo é duro demais para lhe entregar um filho)

Sem comentários: